O espírito desbravador dos herdeiro dos bandeirantes paulistas impulsionou, no início do século XIX, a busca de novas terras, mais férteis e promissoras. A privilegiada localização e os fartos recursos naturais motivaram a escolha do local para o início de um povoado. Os fundadores de Barretos chegaram à região vindos, principalmente, do Sul de Minas. Atravessaram o Rio Pardo na antiga Fazenda Santo Inácio e por volta de 1830, assentaram-se em dois núcleos ?Fazenda dos Barreto? e ?Fazenda dos Marques?. A primeira desenvolveu-se a partir do local onde, hoje, encontra-se o Sanatório Mariano dias, entre os dois córregos que cortam as cidades. A segunda, teve suas primeiras construções onde está o atual Largo do Rosário.
Por volta de 1845, as duas famílias pioneiras resolveram delimitar uma área comum que recebeu o sugestivo nome de ?Patrimônio do Espírito Santo?. A mesma área já vinha servindo como referência e pousada para viajantes, particularmente comerciantes das mais diversas e distantes localidades. A delimitação motivou a construção, logo a seguir, da primeira Capela e as primeiras casas começaram a surgir ao longo da atual rua 14. A Paróquia da época organizou a divisão do ?Patrimônio? em quadras e datas, formando, assim, uma ?primeira planta da cidade?.
O povoado começou a desenvolver-se lentamente. A densa mata que o circundava exigia sacrifícios sobre-humanos para ser removida. Um acidente natural, no rigoroso inverno de 1870, alterou substancialmente as condições de ocupação e desenvolvimento da região. Após forte geada, um grande incêndio destruiu significativa área de florestas. Foi o chamado ?Fogo de 70? que deixou calcinada enorme quantidade de terra. Com a chegada das chuvas, no lugar da antiga floresta surgiu uma rica e natural pastagem que criou condições adequadas para a criação e engorda de gado. Inúmeras fazendas foram se formando e a atividade pecuária progrediu rapidamente, em toda a região, tornando Barretos um centro comercial vigoroso e próspero.
No início do século passado, importante atividade agrícola veio somar-se à pecuária. A cultura do café atingiu a região. As mudanças vieram acompanhadas de um elemento historicamente ligado ao desenvolvimento do país: o imigrante europeu.
A vinda e instalação dos europeus, particularmente italianos, alteraram o ritmo de desenvolvimento assim como o aspecto e a arquitetura da cidade. Um pouco mais tarde, chegaram os árabes e as atividades econômicas começaram a desenvolver-se também no seu aspecto urbano, unindo o aumento da produção agrícola ao crescente comércio. Foram expressão tais transformações as novas técnicas de construção e fachadas de edifícios que passaram a ser artisticamente trabalhados. Um gênio da época, o arquiteto Pagani, foi responsável pela qualidade e beleza do conjunto urbanístico da antiga área central.
Entre 1900 e 1916 dois acontecimentos marcaram a História de Barretos e região: a chegada da Ferrovia e da Companhia Frigorífica Anglo Pastoril. A ferrovia, Cia Paulista de Estrada de Ferro, impulsionou a atividade produtiva, com transporte de cargas e passageiros. A Anglo, de propriedade dos ingleses, gerou empregos e crescimento, tanto econômico como populacional, instalando, ao lado de suas dependências industriais, a Vila Operária, um núcleo urbano.
As duas grandes guerras mundiais ocorridas entre 1914 e 1945, marcaram, significativa, a evolução econômica de Barretos com o aumento nas exportações de carnes e enlatados. Naturalmente, os reflexos foram rapidamente sentidos em todos os setores da economia local. Entre os anos de 40 e 50, o progresso chegou decisivamente nos setores urbanos. Ocorreram a ampliação dos serviços públicos, pavimentações, infra-estrutura de saneamento, energia elétrica e telefonia. O comércio local passou à condição de pólo do norte do Estado, Triângulo Mineiro e Sul de Goiás. Linhas aéreas regulares e pavimentação asfáltica da rodovia de ligação com a capital consolidaram, no final de 50, o espírito desenvolvimentista.




Clique e conheça os ex-prefeitos de nossa cidade.


Clique e veja o Hino de Barretos.


Fonte (textos e fotos): www.barretos.sp.gov.br

(Site oficial da cidade de Barretos)



Você é o visitante número:



visitors globe